Pular para o conteúdo
24/07/2010 / Marcio Kohara

Sobre Rubens e a sua “sensacional temporada”

Eis que todos vendem a imagem de que Rubens Barrichello faz uma temporada impecável, incrível, digna de vitórias pilotando uma carroça como é a Williams deste ano. Pois bem. Acho que isso merece uma olhada de lupa.

Não discordo que o trabalho dele nesta temporada seja muito bom. Acima da média, inclusive. Merecedor de elogios. Trabalho melhor que muito piloto de equipe grande -Massa e Schumacher, principalmente. Também bate seu companheiro de equipe com alguma facilidade. Isso também é um fato.

Agora, a forma como se tem falado disso na imprensa é como se a equipe de tio Frank tivesse ressurgido dos escombros entre o ano passado e esse ano e que Rubinho faz um trabalho de super-homem ao “resgatar a Williams das trevas, levando-na rumo às primeiras posições”. Só que não é bem isso o que aconteceu. Ano passado a equipe inglesa conseguiu bons resultados também. Com Nico Rosberg foram 14 classificações entre os dez primeiros em 17 oportunidades. E teve mais uma em que o alemão largou em 11º. Foram dois 4ºs lugares em corridas, e 11 corridas na zona de pontuação -sendo que a pontuação ia até o oitavo posto. Neste ano, são cinco corridas em dez fora da zona de pontuação de Rubens. E o brasileiro também tem seis classificações para o Q3 e dois 11º lugares. Ou seja, a evolução não é tão espetacular assim.

Ok, mas a equipe foi mal no ano passado. É verdade, mas um de seus pilotos era Kazuki Nakajima. E o japonês não estar no grid neste ano enquanto antiguidades medianas como Pedro de la Rosa foram resgatadas das profundezas do freezer mostra muito sobre a qualidade do filho de Satoru (que não precisaria fazer muito na categoria para deixar de ser “o filho de Satoru” e nem isso conseguiu). Mas aí é um problema localizado de piloto… Nico Hulkenberg é muito mais piloto do que o japonês, isso é ponto pacífico.

Quanto a bater o companheiro de equipe… Bom, Hulk foi o campeão da GP2 no ano passado, mesmo depois de ver Romain Grosjean abrir grande vantagem no campeonato. É bom piloto. Mas o jovem alemão chega a Fórmula 1 numa temporada em que os treinos estão praticamente proibidos, devido a alegação de “contenção de gastos”. Ou seja, o alemão só tem os finais de semana de corridas para aprender a lidar com o carro. Na ponta do lapis, bater o novato companheiro de equipe que não conhece grande parte das pistas e não sabe as reações de um carro de Fórmula 1 na enorme maioria delas não é muito mais do que uma obrigação para o brasileiro.

Ok, a Williams trocou de motores do ano passado para este ano e escolheu desenvolver os motores Cosworth neste ano deixando de lado a Toyota, que era uma das empresas que mais investiam na categoria até o ano passado. Fato. Mas os motores japoneses também não eram lá grande coisa e a Williams acertou deixar de lado os Toyota antes mesmo que os japoneses anunciassem o abandono do projeto Fórmula 1. Ou seja, a equipe inglesa também não tinha lá um super motor no ano passado. Ok, talvez a curva de desenvolvimento da Toyota no ano passado já estivesse no topo enquanto a Cosworth, neste ano, tem evoluido muito. É normal, já que não se tira um motor de Fórmula 1 funcionando a pleno do bolso. Mas isso não significa que os Cossies ainda estejam num estágio tão pior do que os seus adversários. Pelo contrário. Se Rubens e Nico chegam a fases finais de classificação e ambos chegam aos finais de corridas marcando pontos para a equipe significa também que os motores ingleses estão evoluindo. E, mais importante do que isso, se virar a equalização dos motores, como pede a Renault, a marca dos motores não fará tanta diferença no ano que vem…

Não discuto o fato de que Rubens tem sido uma peça importante para a Williams neste ano e que tem feito um trabalho acima da média. Mas isso também não significa que ele mereceria ter muito mais do que tem hoje. É um bom trabalho, talvez um dos mais notáveis da categoria em 2010. Agora, se ele fosse tão bom e importante assim, ele teria superado seu companheiro de equipe,  sido campeão no ano passado e mantido por Ross Brawn numa equipe grande para este ano. Não foi. Então, vida que segue. A temporada é boa, mas não é de outro mundo. Ponto.

4 Comentários

Deixe um comentário
  1. marcos / jul 24 2010 4:56 pm

    onde assino?

    Rubens só sabe trabalhar em situações adversas com o carro e isso ele tira de letra. Rubens sempre será um bom piloto,mas nunca foi um piloto campeão.

    • mkohara / jul 27 2010 3:16 am

      Valeu, Marcos.

      Abraço!

  2. danflu12 / jul 24 2010 5:15 pm

    É, o trabalho de Rubens e sua fase estão fantasticas na Williams e só não ver quem não quer. Com um carro pouco competivivo, graça a ele, a Williams se desenvolveu e hoje já superou várias equipes e até vem superando a Mercedes. Espero que continue assime até o fim de ano o Barrica possa beliscar um pódio.
    Visitem meu novo blog:
    http://f1ontemehoje.wordpress.com/
    Abraços

    • mkohara / jul 27 2010 3:20 am

      Daniel, obrigado pelo comentário. Só nos resta torcer.

      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: