Skip to content
25/08/2010 / Marcio Kohara

Um [merecido] tributo a Spa-Francorchamps

Aaahhhh… Spa-Francorchamps. Se a primeira palavra sozinha é o terror dos gordinhos e a alegria dos maníacos por magreza, a combinação de ambas é mágica para os fãs da velocidade, que tem na pista belga o ponto alto da temporada de Fórmula 1. Não é para menos, falamos de um dos autódromos mais incríveis do mundo. As curvas de altíssimas velocidades no sobe e desce formado pelas estradas que cortam os vales da floresta das Ardenas fazem de Spa um dos circuitos preferidos para pilotos e fãs da velocidade.

Spa vive nos sonhos dos fãs e dos pilotos da categoria, e suas sutilezas fazem com que os grandes talentos prevaleçam por lá. Michael Schumacher é o homem que mais vezes venceu a corrida, com seis vitórias, acompanhado de perto por Ayrton Senna, com cinco e Jim Clark com quatro. O protagonista das últimas passagens da categoria pela pista belga foi Kimi Raikkonen, o grande ausente desta edição, que venceu as últimas quatro edições da F-1 por lá.

A pista belga foge da mesmisse e da pasteurização dos Tilkódromos, pistas cada vez mais sem alma nem identidade. É, sem medo de errar, um dos autódromos mais incríveis do mundo e, felizmente, consegue se atualizar e se manter no calendário da principal categoria do automobilismo mundial sem perder a aura. Como se não bastasse, sua localização geográfica faz com que as surpresas meteorológicas não sejam exatamente algo raro na pista belga. Não são poucas as vezes que a chuva se faz presente em metade da pista e… na outra metade faz sol! Os pilotos que sabiam como se virar nestas situações faziam a festa nestas oportunidades. Também por isso, resultados surpreendentes e passagens fenomenais fazem parte da história desta pista, que acabam fazendo com que passagens históricas fiquem marcadas nas memórias dos fãs da categoria.

Lembre-se da última edição do GP, dominada por Giancarlo Fisichella e sua Force India (equipe que nunca havia marcado pontos em ano e meio de história) e por Kimi Raikkonen e uma das piores Ferraris dos últimos 20 anos -a F-60. No ano anterior, a chuva foi a protagonista do final de semana e fez daquela prova uma das mais insanas de todos os tempos. Lewis Hamilton fez uma corrida incrível depois de errar de forma ingênua no começo da corrida, mas acabou punido com um polêmico stop-and-go por não devolver a posição a Kimi Raikkonen depois de cortar caminho na chicane da Bus Stop. Kimi bateu logo depois, deixando a vitória de bandeja para Felipe Massa, que não liderou nenhuma volta daquela corrida.

Para abrir a semana de GP da Bélgica, nada melhor que começar com uma bela homenagem à pista. Assim, posto o vídeo da abertura da transmissão da BBC da prova do ano passado. De arrepiar -e esfregar as mãos aguardando o que vem por aí.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: